21 de set de 2010

Ociosidade

O cursor pisca incessantemente na tela, enquanto a inspiração não vem. Toma mais um gole de vinho e acende outro cigarro. Observa novamente a claridade bruxuleante que passa pela janela. Fecha os olhos e ouve o barulho da chuva, traga o cigarro.
Volta a olhar pro cursor, imaginando sobre o quê exatamente escrever ali naquele espaço tão branco, esperando pela cor de sua imaginação. Traga novamente o cigarro. Observa a fumaça que sobe lentamente fazendo desenhos no ar.
Ah, como sente falta das curvas que um dia inspiraram tantos textos coloridos. Novamente o cursor, a chuva, a luz pela janela, a fumaça do cigarro - agora acabando, o espaço em branco. Finalmente desiste. Apaga a tela monótona e brilhante, volta pro quarto e vai dormir.