23 de fev de 2010

And it breaks my heart, It breaks my heart...

Sempre amei a todos dando-lhes a maior liberdade possível. Claro que isso é porque odeio ciúmes infantis e coisas do gênero. Mas também sou obrigada a admitir que era uma espécie de maneira de afastar qualquer possibilidade de contato muito próximo.
De certa forma, sempre foi uma maneira de manter uma espécie de zona segura, para não sofrer muito em casos de separações repentinas.
O problema é quando sentimos que essa zona segura tem atrapalhado, e aparece a vontade de ficar completamente desprotegida emocionalmente.
Tenho sentido vontade de abrir o coração como quem abre uma caixa de Pandora, e deixá-lo aberto, pelo menos até que outra decepção o feche novamente.
Sinto que é chegada a hora de deixar o sentimento arder em brasa, e queimar tudo até a ultima ponta. Mas... com quem mesmo? Pequeno e importantíssimo detalhe...
Enquanto isso, o jeito é continuar mantendo a zona segura... Com uma grande abertura para, quem sabe um dia, sentir algo bom por alguém.

__________________________________________________
Ouvindo:
Regina Spektor - Fidelity

14 de fev de 2010

Divagando

Interessante como alguns meses sem namorado e com muuuita bebida podem nos fazer realmente bem.
Mais interessante ainda, é que mesmo sabendo que no fim tudo dá errado, ainda sentir falta de alguem pra chamar de namorado. Sabe, aquilo de poder ficar abraçado com alguem por um bom tempo, sem ter nada pra fazer nem ter pessa pra acabar, de comprar um sorvete no parque só pra poder lambuzar a outra pessoa quando está distraído... Enfim, divago.
Apesar de não ser uma sensação nada agradável quando descobrimos que a pessoa que um dia chamamos de namorado tenha uma idéia totalmente distorcida do que realmente somos. E novamente divago.
Em tudo isso, a parte mais estranha é que continuamos sentindo falta de alguem pra abraçar.

Dedicado à garrafa de Martini, que me acompanha neste exato momento.

______________________________________________

6 AM, Christmas morning
No shadows
No reflections here
Lie cheek to cheek in your cold embrace.

It started so tragic as a slaughterhouse
She pressed the knife against your heart
And say that 'I love you' so much you must kill me now.
I love you so much you must kill me now...